Comunicação de caráter público na programação das rádios universitárias

Rafael Medeiros, Nísio Teixeira

Resumo


As emissoras vinculadas a universidades federais têm uma história de mais de 60 anos e constituem um universo representativo de 28 rádios que, enquanto públicas e educativas, incorporam características históricas do rádio e adicionam seus aspectos próprios, que as particularizam dentro do universo das rádios públicas: o espaço universitário (plural, democrático e abrangente), a divulgação da produção científica e a noção de que são espaços de formação complementar. Esses aspectos são fundantes para a constituição dos modelos de programação e de produção de conteúdo das rádios universitárias públicas. Assim, a proposta é articular esses aspectos característicos com a noção precípua de que as emissoras devem se orientar também pela percepção de seu caráter público e a partir dessa confluência estabelecer suas programações

Palavras-chave


rádios universitárias; comunicação pública; programação radiofônica

Texto completo:

PDF

Referências


ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo. Rio de Janeiro:

Forense Universitária, 2007.

ASSUMPÇÃO, Zeneida Alves de. Rádio universitária e divulgação científica: que espaço para a divulgação da saúde pública?. In: COMSAUDE 2004. São Paulo. VI Conferência Brasileira de Comunicação e Saúde. Brasília: Anvisa, 2004. v. 11. p. 155-163.

BUCCI, Eugênio. É possível fazer televisão pública no Brasil? In: Novos Estudos. CEBRAP, 2010, n. 88, p. 05-18. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

DEUS, Sandra de Fatima Batista de. Rádios Universitárias públicas: compromisso com a sociedade e com a informação. In: Em Questão. Programa de Pós-graduação em Comunicação e Informação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, v. 9, n. 2,p. 327-338, jul./dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

DEUS, Sandra de Fatima Batista de. O papel das rádios universitárias públicas na extensão universitária. In: VIII Congresso ibero-americano de extensão universitária, 2005, Rio de Janeiro. Navegar é preciso... transformar é possível. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005. p. 91-96.

DUARTE, Jorge. Comunicação Pública. São Paulo: Atlas, 2007.

DUARTE, Jorge; VERAS, Luciara (Org). Glossário de Comunicação Pública. Brasília: Casa das Musas, 2006.

GUERREIRO, Soane Costa. TV Brasil e a Rede Pública de Televisão: Uma trajetória de dependência. 2016. 180 fl. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília, 2016. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2017.

HERRERA HUÉRFANO, Eliana del Rosário. Apuntes para pensar la producción radial desde la academia. Signo y Pensamiento, Bogotá, n. 38, p. 64-71, 2001.

KOSSA, Pablo. Caminhos para a comunicação pública: a rádio universitária como estudo de caso. 2010. 125 fl. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2010.

MARTÍN-BARBERO, J. Chaves do debate: televisão pública, televisão cultural – entre a renovação e a invenção. IN: RINCÓN, Omar. (Org.). Televisão pública: do consumidor ao cidadão. São Paulo: Projeto Latino-americano de Meios de Comunicação, 2002, p. 41-79.

SANTOS, Elias. Rádio UFMG Educativa: origem, desafios e perspectivas. In: Rádio em Revista. Departamento de Comunicação Social/ FAFICH – UFMG. Belo Horizonte, 2014, v.10, p. 8-16.

SANTOS, Gláucio. Entrevista: Gláucio Santos. Entrevista concedida a Rafael Medeiros em 24 de outubro de 2017. Ouro Preto, 2017.

TOMAZ JR. Rogério. Conferência Nacional das Comunicações: pelo reforço da comunicação pública. Informativo Sete Pontos, ano 2, número 15, julho de 2004.

ZUCULOTO, Valci Regina Mousquer. A programação das rádios públicas brasileiras. Florianópolis: Insular, 2012.




Direitos autorais 2018 Rafael Medeiros, Nísio Teixeira, Nísio Teixeira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

 

NOVA CHAMADA | e-COM

Até o dia 31 de julho de 2021, a revista e-Com (https://revistas.unibh.br/ecom/index) recebe artigos, resenhas, traduções e entrevistas para sua próxima edição.

(v. 14/2021).

 

Maurício Guilherme Silva Jr.

Editor da revista e-Com

 

[ecom@unibh.br | https://revistas.unibh.br/ecom/index]

Normas da publicação


1. A revista e-Com (https://revistas.unibh.br/ecom/index) aceita artigos, resenhas e entrevistas para publicação. Todos os textos devem ser inéditos em sua especialidade: resultados de pesquisas; resenhas e recensões críticas de obras científicas recém-publicadas nas áreas de mídia, cultura, sociedade, novas tecnologias, Jornalismo, Publicidade e Propaganda, semiótica etc. (Obs.: Não serão aceitos capítulos de dissertações ou teses em que essa condição possa ser constatada no texto.)

2. O material para publicação deverá ser encaminhado, por meio eletrônico, após cadastro do autor do endereço eletrônico da revista: https://revistas.unibh.br/ecom/index.

3. Todos os trabalhos deverão ser enviados, por meio do programa Microsoft Word for Windows, em fonte Times New Roman, corpo 12 e espaço 1,5.

4. De cada autor ou conjunto de autores, só será aceito, para publicação, um artigo por ano.

5. O(s) autor(es) deve(m) ser graduado(s), mestre(s) ou doutor(es). Não serão aceitos trabalhos de alunos sem a coautoria de seus respectivos orientadores.

6. Os trabalhos encaminhados devem ter de 10 a 20 páginas.

7. O material a ser publicado deve ser acompanhado de folha de rosto, com indicação de título; autor ou autores; instituição em que trabalha cada autor e atividade exercida na referida instituição; titulação acadêmica de cada autor; e-mail para contato.

8. Artigos e resenhas devem ser formatados em página A4, com espaçamento 1,5 e em fonte Times New Roman, 12. No caso de artigos, os textos devem ter de 10 a 20 páginas; no caso de resenhas, o limite são 5 páginas. Os artigos precisam conter:

a) Título (a expressar o conteúdo e a ideia geral do texto);

b) Resumo de até 10 linhas, em português;

c) Palavras-chave;

d) Nome do autor;

e) Em nota de rodapé, deve constar a titulação e a instituição da maior titulação do(s) autor(es), programa(s)/instituição(ões) ao(s)/à(s) qual(is) está(ão) vinculado(s) e e-mail.

f)  Pede-se, ainda, um abstract, em inglês, de até 10 linhas, para fins de indexação.

g) Também é preciso revelar se o texto já foi apresentado em congressos, simpósios, seminários etc.

h) As referências bibliográficas (Exemplo: SOBRENOME, Nome. Título do Livro. Cidade: editora, ano.) devem aparecer, em ordem alfabética, ao final do artigo.

9. Ilustrações, gráficos e tabelas (indicar a fonte quando não forem originais do trabalho), com as respectivas legendas e/ou numerações, deverão vir em folhas separadas, indicando-se, no texto, o lugar onde devem ser inseridos.

10. As notas de rodapé devem figurar ao pé da página em que seu número aparece. As notas de indicação bibliográfica, em pé de página, devem ser apresentadas observando-se a seguinte norma: sobrenome do autor em maiúsculas, título do livro ou texto consultado e número da página.

11. As referências deverão aparecer completas, ao final do artigo, em ordem alfabética de sobrenome de autor, atendendo-se às regras para indicação bibliográfica, conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), cujos elementos básicos especificamos a seguir:

Citação de artigo de revista deverá conter: autor(es) do artigo, título do artigo, título da revista grifado, local da publicação, número do volume, número do fascículo, páginas inicial e final do artigo citado, mês e ano da publicação;

Citação de capítulo de livro deverá conter: autor(es), título do capítulo, organizador(es) da coletânea, título do livro grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, página inicial e final do capítulo.

Citação de livro deverá conter: autor(es), título grifado, número da edição (a partir da segunda), local de publicação, editora, data, número total de páginas.

12. As páginas deverão ser numeradas na margem superior direita.

13. O material deverá vir devidamente revisado pelo autor. A Comissão Editorial terá direito de realizar nova revisão e alterações necessárias.

14. Os autores serão informados sobre a publicação ou não de seus artigos, desde que forneçam endereço eletrônico. A Comissão Editorial não se responsabilizará pela comunicação dessa informação aos autores que tiverem as mensagens eletrônicas a eles endereçadas devolvidas pelos provedores, por razões alheias à própria Comissão. Não serão emitidos, nem remetidos aos autores, pareceres escritos sobre artigos não aceitos.

 

ISSN: 1983-0890